Advogado de Palocci diz que Lula é 'dissimulado' e 'mudou de opinião'

Por G1 | Portal Gazetaweb.com     13/09/2017 20h03

No processo, Lula é acusado de receber propina da empreiteira Odebrecht por meio da compra de um terreno

Palocci presta depoimento ao juiz Sergio Moro 

FOTO: G1

O ex-presidente Lula é "dissimulado" e mudou de opinião após Antonio Palocci ter decidido "falar a verdade", afirmou nesta quarta-feira (13) Adriano Bretas, advogado do ex-ministro.

"Enquanto Palocci mantinha o silêncio, era inteligente e virtuoso; depois que resolveu falar a verdade, passou a ser tido como calculista e dissimulado", afirmou Bretas.

Foi uma referência ao depoimento do ex-presidente dado nesta quarta ao juiz Sérgio Moro. "Eu vi o Palocci mentir aqui", afirmou Lula. Ele chamou o ex-ministro de "calculista e frio" e disse que Palocci só citou seu nome para reduzir alguns anos de condenação. "Fiquei com pena disso".

No processo, Lula é acusado de receber propina da empreiteira Odebrecht por meio da compra de um terreno para a nova sede do Instituto Lula e de um apartamento vizinho ao que mora em São Bernardo do Campo (SP).

"Dissimulado é ele [Lula], que nega tudo o que lhe contraria e teve a pachorra de dizer que se encontrava raramente com o Palocci a cada oito meses", disse Bretas. "Quando lhe foi apresentada a agenda do doutor Emilio Odebrecht, esquivou-se, dizendo que o documento é falso. Essa é a lógica dele: os que o acusam mentem, os documentos são falsos, e só ele diz a verdade."

Palocci

Palocci foi interrogado por Moro nesta mesma ação na semana passada e afirmou que Lula tinha um "pacto de sangue" com o dono da empreiteira Odebrecht, que incluia um "pacote de propinas" para o ex-presidente no valor de R$ 300 milhões.

Em seu depoimento, que durou mais de duas horas, Lula afirmou que a delação de Palocci é focada nele numa tentativa de redução de pena. "Palocci tem o direito de querer ser livre, tem o direito de querer ficar com um pouco do dinheiro que ele ganhou fazendo palestra, ele tem família, tudo isso eu acho. O que não pode é, se você não quer assumir a tua responsabilidade pelos fatos ilícitos que você fez, não jogue em cima dos outros", afirmou o ex-presidente.