Falso empresário lavava dinheiro com pub, pizzaria e academia, diz PF

Por Eduardo Almeida | Portal Gazetaweb.com     07/12/2017 09h12 - Atualizada às 07/12/2017 15h00

PF cumpre mandados de busca em pub localizado na Jatica

FOTO: Heliana Gonalves/TV Gazeta
.jpg" data-hashtags="#radiogazetaweb #gazetaweb" style="width:40%;">

Erik Ferraz resistiu à ordem de prisão e foi baleado; suspeito morreu no HGE

PF cumpre mandados de busca em pub localizado na Jatiúca

FOTO: Heliana Gonçalves/TV Gazeta

A operação desencadeada pela Polícia Federal (PF), que resultou na prisão de Erik da Silva Ferraz, na manhã desta quinta-feira (7), revelou que um pub localizado no bairro de Jatiúca, uma pizzaria no Conjunto Salvador Lyra e uma academia de ginástica no bairro da Serraria eram usados pelo grupo para lavar dinheiro em Alagoas. O suspeito morreu após ser baleado durante a operação.

Erik Ferraz é considerado foragido da Justiça de São Paulo e, de acordo com a polícia, comandava um esquema criminoso com ramificação em Maceió e na Barra de São Miguel. Para mascarar as atividades, ele usava a identidade falsa de Bruno Augusto Ferreira Júnior e se passava por empresário bem sucedido no estado.

Nesta manhã, agentes da PF cumpriram mandados de busca e apreensões nas empresas investigadas e recolheram notas fiscais e documentos que supostamente podem comprovar os crimes que são atribuídos ao suspeito.

Além de lavar dinheiro com as empresas, a polícia diz que Erik Ferraz levada uma vida de ostentação. Vídeos divulgados pela PF mostram a casa do suspeito em um condomídio de luxo, carros importados, além de jóias e dinheiro.

Pub localizado no bairro da Jatiúca é alvo de ação da Polícia Federal

FOTO: Heliana Gonçalves

OPERAÇÃO DUAS CARAS

Durante a chamada "Operação Duas Caras" foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão, cinco mandados de prisão e três mandados de condução coercitiva. Erik Ferraz teria resistido à ordem de prisão e acabou sendo baleado. O suspeito foi socorrido e levado ao Hospital Geral do Estado (HGE), no Trapiche da Barra, em Maceió, mas não resistiu e morreu.

A ação policial contou com a participação de 60 policiais federais e 20 militares do Bope. Os mandados foram expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital.

Segundo nota divulgada pela PF, a ação teve como objetivo "reprimir a atuação de organização criminosa constituída para promover ocultação de recursos provenientes de crimes como homicídio, assalto e tráfico de drogas. O principal investigado teria assumido uma identidade falsa e se radicado em Maceió".